Obsolescência Programada

Eles querem te vender, eles querem te comprar / querem te matar, de rir … Querem te fazer chorar / quem são eles? / quem eles pensam que são?

Corrida contra o relógio / silicone contra a gravidade / dedo no gatilho, velocidade / quem mente antes diz a verdade / satisfação garantida / obsolescência programada / eles ganham a corrida antes mesmo da largada. 3ª do Plural – Engenheiros do Hawaii | Ouça a música aqui.

 

Obsolescência Programada

O termo obsolescência programada, assim como a sua função, surgiu em entre os anos 20 e 30 nos países capitalistas e industriais, mas até então ele era mais conhecido como “descartalização”, e foi considerada parte da globalização. A sua simbologia e usabilidade evoluiu e hoje é como a conhecemos – obsolescência programada.

Durante o período da Grande Depressão as indústrias trabalhavam com produção em massa (sem avaliar a necessidade do produto e qual o tamanho do público) e a população não consumia tão ativamente (também por causa da crise). Assim sendo, os estoques de produtos começaram a aumentar e eles estavam ficando ali encalhados.

Os empresários viram seu lucro diminuir, o desemprego aumentar e o risco de a crise crescer por falta de se ter um giro na economia. Intrigados com a situação, alguns observaram que os produtos duráveis desfavoreciam a economia. Como duravam por muito tempo eles reduziam a chance da população comprar um novo produto igual aquele.

Uma das situações de uso e da programação da obsolescência mais famosas é o da organização de grandes empresas que produziam lâmpadas, o Cartel Phoebus, sediado em Genebra. Faziam parte dele as principais fabricantes de lâmpadas da Europa e dos Estados Unidos.

O Cartel Phoebus reduziu o tempo de vida útil das lâmpadas a fim de aumentarem as vendas das mesmas. As lâmpadas naquela época tinham cerca de 2.500 horas de vida útil. Esse tempo foi reduzido drasticamente para 1.000 horas.

Este caso foi documentado em “The Light Bulb Conspiracy”, dirigido por Cosima Dannoritzer e produzido em 2011, na Espanha. No documentário é possível ver outros exemplos e usos da obsolescência programada. Você pode assistir o documentário no youtube ou logo aqui em baixo ↓

 

Considerada uma estratégia de mercado não-sustentável, a obsolescência programada é um tanto quanto polêmica.

Esta estratégia, nociva ao meio ambiente e visada de forma negativa, nada mais é do que a decisão proposital (de uma indústria) de produzir um produto (não-perecível) com uma data de validade. Ou seja, torná-lo obsoleto em um determinado período de tempo, previamente planejado. O tempo de vida útil do produto é programado para durar menos do que a tecnologia existente nele permite.

A obsolescência programada, como estratégia, assim sendo, quer garantir a constância do consumo. Onde o consumidor é, praticamente, obrigado a descartar o produto atual e a adquirir um novo para continuar usando dos benefícios que são (prometidos/esperados) entregues.

A obsolescência programada é considerada umas das grandes responsáveis pelo aumento do consumo e pela geração de lixo exacerbado.

 

A vida é (?) breve …

O desgaste natural de um produto acontece, e assim ele se torna antigo, velho e talvez já sem serventia. Essa é (seria) a ordem natural da coisa. Mas com o envelhecimento programado os produtos não tem a mesma durabilidade como “os de antigamente” (já diziam nossos pais). Os eletrodomésticos, por exemplo, antes duravam 30 ou até 50 anos, hoje não duram mais que uns 10 ou 15 anos no máximo (ou talvez seja até menos que isso).

Eu lembro, que a minha mãe comentou que comprou a nossa primeira máquina de lavar roupa com ela teve a minha irmã mais velha, e ela só trocou (há poucos anos atrás) a tal da máquina porque o concerto estava ficando muito caro, pois as peças já não estavam mais sendo fabricadas, mas durou seus quase 30 anos. Eu já por exemplo, estou na minha segunda máquina de lavar roupas, a primeira durou uns 05 anos, e agora já fazem uns 03 anos que estou com outra. Espero que ela não tenha só mais 02 anos de vida útil!

… Vender… Comprar… Vedar os olhos/jogar a rede contra a parede/querem te deixar com sede/não querem nos deixar pensar/quem são eles?/ quem eles pensam que são? 3ª do Plural – Engenheiros do Hawaii

 

 

Share:

Comentários no Facebook